Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

José Maria Neves apela ao bom senso e ponderação

Cabo Verde: Primeiro-ministro preocupado com situação na Guiné-Bissau

Praia – O primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, manifestou, esta quinta-feira, 5 de Abril, a sua preocupação face à situação na Guiné-Bissau e apelou ao bom senso e ponderação das partes envolvidas no conflito político naquele país.

«Apelo a todas as partes para que haja muita ponderação e muito diálogo, muita negociação porque não é possível qualquer outra derrapagem na Guiné-Bissau neste momento», declarou José Maria Neves aos jornalistas à saída da Presidência da República, momentos após da cerimónia de posse dos novos membros do seu Governo.

O primeiro-ministro comentava o agravamento do impasse político guineense, com a suspensão, esta quinta-feira, da campanha eleitoral para a segunda volta das presidenciais no país, agendadas para 22 de Abril.

José Maria Neves informou que está em permanente contacto com a presidência da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para que haja diálogo, capaz de conduzir a Guiné-Bissau à normalidade.

«É preciso que haja submissão do poder militar ao poder civil e é preciso respeitar os resultados da primeira volta e abrir caminho para a realização da primeira volta das eleições. Só se pode conseguir isso através de eleições e da criação de condições para a realização da segunda volta», sublinhou.

Igualmente, o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, ao ser abordado pelos jornalistas, manifestou a sua preocupação com a situação na Guiné-Bissau que, explicou, «é de alguma tensão entre as partes».

«Nós vamos acompanhando. Nós apoiamos na Cimeira extraordinária da CEDEAO a posição tomada pelos chefes de Estado e de Governo da comunidade e também a posição da União Africana e esperamos que haja bom-senso e que as coisas decorram com base nas decisões tomadas pelas instâncias constitucionalmente legitimadas na Guiné-bissau», referiu.

Questionado se Cabo Verde está disponível para mediar o conflito político guineense, perante a recusa de Kumba Ialá em aceitar o Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, Jorge Carlos Fonseca respondeu que o arquipélago estará disponível para, na medida das suas possibilidades, ajudar a resolver da melhor maneira os problemas no país vizinho.

Já o primeiro-ministro, José Maria Neves, descartou essa possibilidade de mediação, afirmando que Alpha Condé é um grande mediador, acrescentado que Cabo Verde não quer assumir nenhum protagonismo especial nesta matéria.

A Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau suspendeu o início da campanha eleitoral para a segunda volta das eleições presidenciais antecipadas, até que o Supremo Tribunal de Justiça se pronuncie.

Cinco dos nove candidatos que disputaram a primeira volta das eleições interpuseram um recurso no Supremo Tribunal de Justiça, exigindo a anulação do escrutínio, realizado a 18 de Março, sob alegação de fraude.

(c) PNN Portuguese News Network

2012-04-05 18:48:34

MAIS ARTIGOS...
  França realiza primeiro ataque aéreo no Iraque
  Moçambique: Filipe Nyusi acusado de fugir do frente-a-frente eleitoral
  Xanana Gusmão assinala os 15 anos da ajuda australiana a Timor-Leste
  União Europeia anuncia ajuda financeira às eleições de São Tomé e Príncipe
  China financia combate ao ébola com mais de 25 milhões de euros
  Cabo Verde: PM vai fazer alterações no Governo
  Cruz Vermelha defende mais informação sobre o ébola
  Cabo Verde: ARE realiza consultoria sobre sistema de informação regulatória
  FAO: Brasil regista queda de 75% na extrema pobreza
  Cabo Verde: PR desperta para situações de pobreza extrema e miséria
  Nigéria: Derrocada de igreja causou 70 mortos
  São Tomé e Príncipe: PR censura encerramento de fronteiras terrestres para combater ébola

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
alfer  2012-04-15 18:55:23
sr. Afonso Dias, como caboverdiano, devo-lhe dizer que na questão dos medicamentos Cabo Verde é só um entreposto para fazer chegar os mesmos à Guiné-Bissau.Cabe ao país de origem desses medicamentos a supervisão do seu estado. E cabe também ao SNS da Guiné-Bissau confirmar tal facto.
Quanto ao golpe de estado, é só mais um acto vergonhoso oferecido pelos vossos militares e politicos caducos e saudosistas que não têm preparação nem para governar um curral quanto mais um país, que embora tenha recursos naturais tem tambem muitas limtações. Apesar das diferenças atuais, Cabo Verde e Guiné-Bissau tem mais em comum , na minha opnião, do que maioria das parcerias em África ou noutro lugar qualquer. SaudaçQes amigas


Cambraima Alanso Cassama  2012-04-07 11:50:29
Ola Irmoes!
Como guineense, gostaria de dar as minhas contribuiçoes sobre impasse poitica que o pais encontra de momentos:

A Guine-Bissau, é um pais com pouco mais que um milhao de habitante, para os politicos, sinais do passado é melhor avaliaçoes de qualquer pessoa que quer dedicar a mais a politica.

MAMBAS, passou a ser referencia poitica das antecipada eleiçao de 18 de Março de corrente ano, devido as suas contribuiçoes politica positiva durante a sua curta caminhada, isso justifica ate na criaçao de uma magna conferencia nacional sobre consolidaçao da PAZ.
Nos esperava tanto, afinal.....

Dr.Cambraima Alanso Cassama


Afonso Dias  2012-04-06 02:22:34
Que preocupação é essa? Será igual ao apoio que querem dar a Guiné no fornecimento de medicamentos vindo da India ou Sri Lanka?, de tão boa qualidade que agrava as doenças.
Que usem esse medicamentos em cabo Verde já que são de boa qualidade. Francamente prefiro usar as ervas do nosso mato de que estar a intoxicar a minha gente com medicamentos cabioverdeano-


Biuma Na Natche  2012-04-05 21:31:37
Caros compatriotas,já vimos a notícia de que Kumba Ialá não deu entrada no supremo tribunal de justiça documento dizendo que não vai a segunda volta,mas nesta notícia a CNE suspendeu início de campanha eleitoral esperando pronunciamento de STJ,penso que é contraditório a informação uma vez que esta instituição não tem materia de recusa de segundo candidato mais votado ou a lei prevê que segunda volta deve ter primeiro pronunciamento de STJ?se não é, uma vez mais estamos perante a brincadeira perigosa da CNE,por isso essa instituição deveria merecer alguém com outro tipo de perfil,não aquele cheio de interesses mesquinhos de djilandade;pois bem abrimos olhos e a mente para esse emboroglio que "CNE" nos apresentou,apresenta e aprentará.Paz e bem.


Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais