Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Cultura & Média

Desde 15 de Novembro

Jornalista da Guiné Conakry refugia-se em Bissau alegando perseguição política

Bissau - À procura de segurança e refúgio, o Director da Rádio Baté – FM, da Guine-Conakry, baseada na região de Kankan, encontra-se na Guiné-Bissau há precisamente uma semana, desde 15 de Novembro.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) apresentou à imprensa, esta sexta-feira, 22 de Novembro, Moussa Djaura, de 29 anos de idade. A organização está a encetar diligências junto das autoridades nacionais e organizações de protecção internacional, nomeadamente a representação da HCR na Guiné-Bissau, para encontrar uma saída para o jovem jornalista.

Em conferência de imprensa, o jornalista Moussa Djaura denunciou ser alvo de perseguição e de ameaça à sua integridade física por parte do regime do Presidente Alpha Condé.

«Tudo aconteceu quando as autoridades regionais de Kankan, face à penúria de energia eléctrica, prometeram ultrapassar e garantir a energia durante um mês, na véspera da visita do Presidente àquela região, facto que não aconteceu.

Aliás, a energia foi garantida apenas durante dois dias e no dia da visita de Condé, facto que gerou a revolta da população local», revelou Djaura.

Na qualidade de jornalista, Moussa Djaura impulsionou entrevistas e debates críticos à situação, processo durante o qual se registaram vozes de censura ao regime de Alpha Condé, tendo os responsáveis policiais desencadeado logo operações de perseguição ao jornalista e responsável da Rádio Baté – FM. A estação chegou a ser encerrada, mas foi reaberta mais tarde.

Moussa Djaura saiu da Guiné Conakry a 20 de Outubro com destino ao Mali, onde a sua segurança não estava bem garantida, tendo recebido o conselho dos familiares para deixar aquele país e seguido depois para o Senegal, onde chegou a 24 de Setembro.

No Senegal, o jovem sentiu alguma insegurança na altura da Cimeira da CEDEAO, onde participou o Presidente Alpha Condé, que enfrentou manifestações da comunidade guineense em Dakar.

Em Bissau, o jornalista foi acolhido pelo Administrador da Rádio privada Bombolom – FM, que o conduziu depois à sede da LGDH. Mas antes, entre os três países onde podia pedir exílio, nomeadamente os EUA, Suíça e França, Moussa Djaura escolheu este último pois trata-se do único que tem embaixador residente na Guiné-Bissau Ainda assim, a sua tentativa não teve sucesso.

«Dirigi-me à representação diplomática francesa em Bissau. Quando lá cheguei apresentei o problema e a resposta do cônsul foi que não podia considerar, facto que lamento tanto».

Moussa Djaura pondera desencadear uma greve de fome, em protesto contra o contexto em que vive, e apela ao apoio de todos os «colegas jornalistas», porque «eu sou muito jovem para enfrentar e aguentar uma tamanha pressão e perseguição desta magnitude».

A LGDH já enviou notas de correspondência ao Ministro do Interior da Guiné-Bissau e à Representação do ACNUR em Bissau, informando-os da situação de Moussa Djaura.

(c) PNN Portuguese News Network

2013-11-22 17:01:47

MAIS ARTIGOS...
  Jornalista Mussá Baldé vence concurso FIC TV I 2016 na Guiné-Bissau
  Governo encoraja imprensa guineense a usar os seus direitos constitucionais
  Prémio Man Booker atribuído a estritor húngaro
  UNESCO condena destruição do património da cidade de Nimrud
  Guiné-Bissau: UE apoia Festival de Bubaque
  Quase 70 jornalistas perderam a vida em 2014
  China bloqueia Gmail em todo o país
  Guiné-Bissau: Muniro Conté é o novo Director-geral da RDN
  Primeira-dama de Moçambique lança livro
  Guiné-Bissau: Jornalista Sumba Nansil vence prémio «Jornalismo e Direitos Humanos 2014»
  Guiné-Bissau realizou fórum «Cacheu, Caminho de Escravos»
  CPLP reforça cooperação na Cultura

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais