Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Economia

Para o desenvolvimento do país

Banco Mundial anuncia a retoma das operações com a Guiné-Bissau

Bissau – Após a Conferência Internacional de doadores da Guiné-Bissau, que teve lugar esta quarta-feira, 25 de Março, em Bruxelas, o Banco Mundial anunciou que está a reatar as operações para o desenvolvimento da Guiné-Bissau.

A comunicação foi feita durante um debate do Conselho de Directores Executivos do Banco, sobre o futuro das suas relações com a Guiné-Bissau, após o Banco ter suspendido as operações na sequência de um golpe militar.

As recomendações do Banco Mundial para uma reaproximação e outras medidas políticas estão contidas numa nota de Compromisso com a Guiné-Bissau e estabelecem os marcos a atingir para apoiar o país, ao longo do período 2015-2016.

Assinala a normalização das relações entre o Grupo do Banco e a Guiné-Bissau, e está desenhado no sentido de avançar com apoio ao Governo a curto prazo, para ajudar a criar instituições de importância, reforçar as capacidades do sector público e restabelecer serviços essenciais.

«Esta nota de colaboração com o país assinala um retomar do apoio continuado do Banco Mundial à Guiné-Bissau e contribuirá com um apoio essencial ao país, ao longo dos próximos dois anos. Abrirá também caminho à transição do país da situação crítica subsequente a um conflito, para uma paz sustentada e rápido desenvolvimento», afirmou Vera Songwe, Directora Nacional do Banco Mundial para a Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau é um dos poucos países de África onde a pobreza estagnou, ou até aumentou, ao longo dos últimos anos. Estimativas oficiais mostra a pobreza (com dois dólares por dia) a um nível de 69%, e a extrema pobreza (menos de um dólar por dia) cifrada em 33%, em 2010.
Após o golpe militar em Abril de 2012, as eleições Gerais de 2014 marcaram um regresso à ordem constitucional e uma oportunidade para os doadores retomarem o seu apoio a um dividendo de paz para o povo da Guiné-Bissau.

Os compromissos agora assumidos pelo Banco Mundial fazem parte de um esforço mais alargado por parte da comunidade internacional, incluindo o Fundo Monetário Internacional, a União Europeia, o Banco Africano de Desenvolvimento e outras entidades, para dar um largo apoio ao novo Governo.

O Banco Mundial manteve consultas alargadas para desenhar a sua nova estratégia com todos os intervenientes na Guiné-Bissau, incluindo o Governo, membros da sociedade civil, o sector privado e os parceiros para o desenvolvimento.

O apoio do Banco, de acordo com o CEN, concentrar-se-á na necessidade de uma estabilização a curto prazo, que inclui a criação de instituições e capacidades no sector público, e o reforço da provisão de serviços básicos aos mais carenciados.

Com um primeiro passo para o reatar da colaboração, o Conselho do GBM aprovou hoje também o valor de cinco milhões de dólares (4,5 milhões de euros) para o Projecto para o Reforço do Sector Público. Este financiamento, em créditos da AID e subsídios, melhorará a gestão das finanças públicas da Guiné-Bissau, de forma a criar uma base para uma maior transparência e responsabilização na gestão e uso de recursos públicos.

O Banco alavancará intervenções da AID, SFI e MIGA, e desenvolverá sólidos conhecimentos e trabalho de análise, incluindo um recente Memorando Económico sobre o País e um Diagnóstico Sistemático do País, que está ainda a decorrer. A linha de apoio proposta está em sintonia com o Relatório do Desenvolvimento Mundial sobre Conflitos, de 2011, e o enfoque da AID 17 sobre estados frágeis.

Fazendo parte da reaproximação do Grupo Banco Mundial à Guiné-Bissau, a SFI está a trabalhar com a instituição para apoiar o melhoramento da prestação de serviços, com a participação do sector privado, em sectores-chave de infra-estruturas, incluído água, electricidade e portos. A SFI financiará também directamente projectos do sector privado, para encorajar outras entidades a investir, para melhorar o clima de investimento e dar destaque tanto ao acesso ao financiamento, como à capacidade das pequenas e médias empresas do país.

«A Guiné-Bissau apresenta oportunidades promissoras para as empresas privadas, no entanto, alguns elementos fundamentais têm que ser instituídos para atrair investidores», disse Jerome Cretegny, Delegado Principal Nacional, para a Guiné-Bissau.

«O objectivo é ajudar a criar um ambiente favorável, no qual o sector privado pode desempenhar o seu papel como motor de crescimento económico e criação de emprego», referiu.

A reaproximação do Grupo do Banco chegou na véspera de uma Conferência Internacional de Doadores para a Guiné-Bissau, que decorreu em Bruxelas a 25 de Março.

Tirará partido do momento positivo que o país atravessa, juntando a comunidade internacional para um endosso ao Plano Estratégico e Operacional da Guiné-Bissau, para o período 2015-2020. O Grupo Banco Mundial espera consagrar cerca de 250 milhões de dólares (cerca de 228 milhões de euros) ao longo dos próximos cinco anos.

(c) PNN Portuguese News Network

2015-03-26 16:09:43

MAIS ARTIGOS...
  Guiné-Bissau: Ministro das Finanças confirma crescimento económico do país
  Royal Air Maroc recruta jovens guineenses como assistentes de bordo
  Guiné-Bissau: População de Varela ameaça boicotar reunião com empresa Poto
  Guiné-Bissau: Governo pretende elaborar orçamentos realistas
  Guiné-Bissau: Governo confirma moratória de cinco anos para corte de madeiras
  Guiné-Bissau vai beneficiar por ser um dos Países Menos Avançados
  Barcos com cadávares dão à costa do Japão
  Guiné-Bissau: Banco Mundial revê despesas na Defesa e Segurança
  Hollande e Putin juntam-se para analisar em Moscovo ofensiva ao EI
  Governo assina com BAD acordos de financiamento de 19 mil milhões de Francos Cfa
  Guiné-Bissau: Governo disponibiliza mais mil milhões de Francos Cfa para financiar micro créditos
  Guiné-Bissau disposta a receber propostas de investimentos chineses

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
aladje fode sisse  2015-03-27 15:10:02
Obrigado comunidade internacional, obg para tds guineense em especial para os nossos governantes, mas pesso os nossos governantes q fazem no maximo para q o pretendido se realisa...viva nossa terra que DEUS nos ajude


Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais