Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Política

Crise política na Guiné-Bissau

PAIGC acusa Mário Vaz de tentativa inadmissível de ingerência nos assuntos internos do partido

Bissau - O Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC), acusou esta quarta-feira, 7 de Outubro, o Presidente da República José Mário Vaz de uma tentativa que classificou de inadmissível de ingerência nos assuntos internos do partido.

Em comunicado de imprensa que a PNN consultou, o PAIGC considera que com esta iniciativa, Mário Vaz estar a tentar ditar ao partido os critérios para escolha dos membros do seu Governo, e sustenta que é absolutamente normal que uma boa parte dos membros do antigo governo esteja na proposta do novo elenco governamental.

”O Governo ora proposto pretender ser a continuidade do Governo anterior que assumiu importantes compromissos internacionais nomeadamente na mesa redonda de Bruxelas”, lê-se no documento.

O PAIGC lembrou também a sua responsabilidade política na governação enquanto vencedor das últimas eleições legislativas com base num programa escolhido pelos guineenses. Deste modo “ao primeiro-ministro indigitado pelo PAIGC cabe escolher os homens e as mulheres que achar para implementação desse programa”, informa o comunicado.

No mesmo documento o partido afirma estranhar a resposta de Mário Vaz ao pedido da Comissão de Inquérito da Assembleia Nacional Popular (ANP) para apresentar provas das acusações que fez contra o anterior Governo liderado por Domingos Simões Pereira.

Neste sentido, o PAIGC considera que Mário Vaz tenha “furtado” as suas obrigações respondendo por carta ao Presidente da ANP em que pede que lhe seja precisado que passagem do seu discurso de 12 de Agosto tenha feito tais acusações. “O PAIGC convida o Presidente da Republica a facultar todas provas de que dispõe em relação a essas acusações e reitera a sua firme determinação em tirar as devidas ilações das conclusões de trabalho da referida comissão de inquérito apurando responsabilidades políticas e judiciais”, sublinha o comunicado.

Em referência aos nomes de membros do Governo propostos, segundo os quais Mário Vaz afirmou que pendem processos judiciais, o partido convidou o Presidente da República, mais uma vez, apresentar provas destas acusações, comprometendo-se o partido a retirar da proposta do Governo as figuras com acções judiciais.

Relativamente à crise política em curso no país desde há quase dois meses, o PAIGC acusou Mário Vaz de ser responsável da crise que qualificou de “desnecessária e inútil” com enormes custos políticos, económicos e sociais para a Guiné-Bissau. “Quando se esperava do Presidente da República, enquanto promotor da crise, uma vontade inequívoca para a sua rápida resolução, assistimos ao longo destes dois meses sucessivos actos políticos incongruentes por parte deste, nomeadamente a violação da Constituição e das Leis da República”, diz o PAIGC.

(c) PNN Portuguese News Network

2015-10-08 07:44:09

MAIS ARTIGOS...
  ONU quer o cumprimento das leis na Guiné-Bissau
  Crise parlamentar é de natureza política e não compete aos tribunais resolver
  Presidente retoma audições com atores políticos envolvidos na crise
  CEDEAO inicia retirada militar de Bissau
  A Comunidade Internacional “pode perder paciência” com situação na Guiné-Bissau
  CPLP preocupada com situação política na Guiné-Bissau
  Tribunal anula expulsão de deputados pelo PAIGC
  Obasanjo regressa à Guiné-Bissau para tentar, mais uma vez, desbloquear impasse político
  PRS quer pacto de regime para salvar Guiné-Bissau
  Governo adverte que qualquer tentativa de violência para desestabilizar país será reprimida
  Homens armados assaltaram a residência de João Bernardo Vieira em Bissau
  Movimento de Apoio a Carlos Gomes Júnior apela ao regresso do antigo Primeiro-ministro

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
Augusto Keban Nhaga  2015-10-09 00:29:14
Guineenses, estivemos todo esse tempo a ver orquestrar o coro duas pessoas, DSP e PR. Todos os ditos politicos da Guiné estão a gritar na praça pública e a enviar mensagens para ditadura de consenso para que brade no mundo as culpas do PR. Não esqueçam que a verdade vencerá e nos libetrará.
DSP pode usufruir hoje de todos os apoios possiveis até de >Ramos Hosrta e ontem do PM de Cabo verde que não fez senão se mostrar na televisão para melhorar a sua imagem no campo internacional. Não esqueçamos que DSP está a desafiar o PR e como preisdente do PAAIGC está a impor ao Se Carlos Correia as leis internas do partido a fim de poder manter a sua influencia e poder pagar as dividas que já contraiu com os seus parceiros estrangeiros e nacxionais tal como Daniel Gomes no âmbito dos recuros naturais. O dinheiro da mesa redonda e os recuros naturais são a razão de insistencia de DSP em querer arranjar essa confusão toda. Já estamos a perceber o que lele pretende. Infelizmente usa o PAIGC como escudo para difamar o PR e enganar os guineenses. Se engana porque os verdadeiros guieenses já perceberam o caminho e a intenção dele. Querm come com ele é que não quer que o prato parta. estamos farto das mentiras. CUIDADO.


tomas maio artur  2015-10-08 18:05:08
no dissa odio cu vinganca no tarbadja pa leba terra diante
obrigado



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais