Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Sociedade

Greve afecta arranque do ano lectivo

Guiné-Bissau: Escolas públicas continuam parcialmente paralisadas

Bissau - A greve de trinta dias decretada pelo Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF), cujo início coincidiu com o arranque do ano lectivo 2015/2016, continua a decorrer sem nenhum sinal para a sua suspensão ou levantamento, isto devido à clara falta de diálogo entre o Ministério da Educação Nacional e o sindicato.

Em alguns liceus, alunos alegam que não têm professores que entrem, pois, os mesmos estão em greve. Por outro lado, e noutros estabelecimentos escolares, as aulas funcionam, mas não com a normalidade porque verifica-se a falta de alunos e professores que mantêm-se intransigentes em levar até ao fim a paralisação.

Os responsáveis das escolas, que a PNN visitou, desdramatizam o impacto da greve, afirmando que as aulas só não estão a funcionar normalmente porque “o ano lectivo se encontra apenas nas primeiras semanas, sendo assim normal”.

Versão diferente tem o SINDEPROF, que reivindica a maior adesão à greve pelos professores, que, segundo o seu presidente, Laureano Pereira da Costa, já está acima dos noventa por cento, e ameaça não desarmar enquanto não forem cumpridos os pontos patentes no memorando de entendimento assinado com o anterior executivo, mas cuja grande parte dos membros integram o actual governo de Carlos Correia, empossado a 13 de Outubro de 2015.

Indiferente a esta greve, está o Sindicato Nacional dos Professores (SINAPROF), que se presume ter o maior número de associados. “A greve neste momento não é oportuna”, afirmou Luís Nancassa, líder do sindicato, que pediu aos professores para irem dar aulas.

Também esta quarta-feira, 21 de Outubro, à margem de uma conferência sobre a educação, a Ministra da Educação Nacional, Odete Semedo fez duras críticas à atitude dos professores em greve.

“Eles não têm a razão para fazer a greve. Nós negociamos e temos uma equipa a trabalhar com eles mas houve um problema no país e tivemos de parar dois meses. Quem é que vai às finanças mexer no dinheiro?” perguntou a ministra, visivelmente irritada.

A titular da pasta da Educação Nacional, voltou ainda as críticas, para depois, pedir bom senso para que a situação seja ultrapassada. “Nós tomámos posse no dia 13, e no dia seguinte, recebemos o pré-aviso, tão despropositado, como andar de salto alto na praia. É preciso ter bom senso e é preciso que cada guineense se reconcilie com ele próprio para poder conciliar com o seu próximo, porque se não, é triste. Cada um espera o companheiro na esquina para dar à estaca e deitar o colega no chão. Assim não há país que resista”, lamentou Odete Semedo.

Em reivindicação estão, entre outros, o pagamento de dívidas salariais de 2003/2004, 2005/2006, 2012/2013 às diferentes categorias de professores, pagamento de dois meses de salários em atraso (Janeiro e Fevereiro de 2015) aos professores novos ingressos e contratados; o pagamento de doze meses de diuturnidades a todos professores que gozam esse direito e conclusão do processo de efectivação e reclassificação do pessoal docente formado em diferentes escolas de formação.

Iancuba Dansó

(c) PNN Portuguese News Network

2015-10-22 16:59:46

MAIS ARTIGOS...
  Mau tempo no Instituto de Meteorologia
  Governo garante que enfermeiros vão receber onze meses de salários em atraso
  Intoxicação alimentar provocou a morte de duas pessoas em Suzana
  Crise Política cada vez mais agudizada
  Está controlado o surto de diarreia
  Governo reforça medidas contra a pesca ilegal
  Ex-Chefe adjunto da contra inteligência militar condenado a 10 anos de prisão
  Ex-administrador da SAD do União de Leiria recapturado na Gâmbia
  Presumíveis agressores do Ministro Orlando Mendes Veigas vão ser julgados
  Comissário Nacional da Polícia da Ordem Publica exonerado
  Guiné-Bissau em risco de colapso da capacidade de resposta judiciária
  MAI disponibiliza mais de 1.300 homens para garantir a segurança no Natal e Ano Novo

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais