Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Política

Durante discurso na Assembleia Popular Nacional

Mário Vaz relança suspeições de enriquecimento ilícito de membros do Governo

Bissau - O Presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse que diariamente os cidadãos guineenses são obrigados a conviver, impotentes, perante claros e evidentes sinais exteriores de riqueza “incompatíveis” com as conhecidas fontes de rendimentos de alguns servidores do Estado em funções há bem pouco tempo.

Esta segunda-feira, 23 de Novembro, durante a cerimónia de abertura da 1ª sessão do 2º ano legislativo da 9ª legislatura da Assembleia Nacional Popular, José Mário Vaz, voltou a questionar “por que razão, apesar das nossas comprovadas riquezas haliêuticas e de licenças de pescas emitidas, ainda existem escassez de pescado no mercado nacional”, e denunciou também que existem obras públicas de construção e manutenção de estradas há muito iniciadas, mas continuamente inacabadas assim como apesar do consenso nacional da moratória determinada pelo executivo e do conflito com os madeireiros “legalmente” estabelecidos, ainda continuam conflitos no sector” questionou, afirmando que na Guiné tudo é difícil, nada funciona e ninguém é responsabilizado.

José Mário Vaz explicou ainda que com a exoneração de Procurador-Geral da República e Presidente do Tribunal de Contas pretende reforçar as condições institucionais de modo a dar uma resposta mais eficaz e em tempo oportuno às legítimas expectativas de todos os guineenses.

Foi neste sentido que o chefe de estado renovou o convite às entidades competentes para procederam a investigações de modo a clarificarem os “cancros” sociais que estão a minar a justiça, coesão social e relação de confiança entre os cidadãos e os seus dirigentes que vêm sendo objecto de denúncias de algum tempo a esta parte.

Mário Vaz acusou ainda os parlamentares de transformarem, na recente crise política, a casa de democracia numa tribuna de excesso de linguagem e ultraje ao chefe de Estado, sem precedentes na história democrática do país. Contudo, reitera a sua disponibilidade para colaborar com todas as comissões parlamentares, desde de as mesmas revelem níveis de seriedade suficiente para o profícuo relacionamento e cooperação institucional entre órgãos de soberania.

Durante esta sessão que iniciou esta segunda-feira em Bissau, devendo terminar em Janeiro de 2016, os deputados debatem 11 pontos entre os quais a apreciação das Contas gerais do Estado relativas ao ano económico 2009 e 2010, discussão e votação da proposta de lei sobre o estatuto remuneratório dos Magistrados Judiciais e do Ministério publico, discussão e votação do projecto de Código da Justiça Militar, discussão e votação do projecto lei sobre o estatuto do líder da oposição.

Tiago Seide

(c) PNN Portuguese News Network

2015-11-24 11:03:30

MAIS ARTIGOS...
  ONU quer o cumprimento das leis na Guiné-Bissau
  Crise parlamentar é de natureza política e não compete aos tribunais resolver
  Presidente retoma audições com atores políticos envolvidos na crise
  CEDEAO inicia retirada militar de Bissau
  A Comunidade Internacional “pode perder paciência” com situação na Guiné-Bissau
  CPLP preocupada com situação política na Guiné-Bissau
  Tribunal anula expulsão de deputados pelo PAIGC
  Obasanjo regressa à Guiné-Bissau para tentar, mais uma vez, desbloquear impasse político
  PRS quer pacto de regime para salvar Guiné-Bissau
  Governo adverte que qualquer tentativa de violência para desestabilizar país será reprimida
  Homens armados assaltaram a residência de João Bernardo Vieira em Bissau
  Movimento de Apoio a Carlos Gomes Júnior apela ao regresso do antigo Primeiro-ministro

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
ABEL ONUTE CO  2015-11-25 23:15:03
Muito obrigado o presidente, estou de acordo com vc, pelas informações que vc esta dando ao servidores do estado guineenses. Pq os servidores não podem pensar nas vida deles e deixar o país falidos.
Foi neste sentido que o chefe de estado renovou o convite às entidades competentes para procederam a investigações de modo a clarificarem os “cancros” sociais que estão a minar a justiça, coesão social e relação de confiança entre os cidadãos e os seus dirigentes que vêm sendo objecto de denúncias de algum tempo a esta parte.


Cristiano  2015-11-24 13:12:42
Que haja vergonha na cara, desde quanto que um pai quando suspeita ou tem provas de que o filho e aldrabão não lhe chama pra puxar orelha so vive falando alto sem puder chamar o nome que coisa essa??
Bu ngana povo Sr presi , ninguim mas kana confia na bo di bo kaba



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Timor Digital Luanda Digital Jornal de São Tomé Cabo Verde Maputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais